MoMA compra ‘A Lua’

O Museu de Arte Moderna de Nova Iorque (MoMA) comprou o quadro “A Lua”, pintado em 1928 por Tarsila do Amaral, por um valor de $20 milhões (equivalente a cerca de R$74 milhões). A notícia surgiu na mídia internacional no final do mês de fevereiro, nomeadamente no site espanhol El País.

Um desejo já antigo

O MoMA realizou uma grande exposição de Tarsila do Amaral em 2018 mas não tinha podido contar com a obra, por questões familiares. Talvez essa impossibilidade tenha inspirado o pessoal do museu de Nova Iorque a ir mais longe para assegurar que nunca mais ficaria sem a possibilidade de a mostrar. De acordo com o El País, a curadora-chefe de pintura, Ann Temkin, apontou que os responsáveis pela exposição de Tarsila de 2018 haviam ficado deslumbrados com a peça. Além disso, exemplares do período antropofágico são “difíceis de encontrar”, pois se encontram principalmente em museus brasileiros e coleções privadas.

A Importância d’ “A Lua”

“A Lua” é, como descrito em nota do museu nova-iorquino, a primera obra da “mais importante modernista da primeira geração”. O quadro era o preferido do marido da pintora, o poeta Oswald de Andrade, ele próprio um estético modernista, que teria sido o primeiro a entender a força da novidade que a tela trazia: o cruzamento entre a vanguarda modernista que vinha da Europa e a tradição brasileira. Pela primeira vez o vanguardismo assumia um caráter genuinamento brasileiro. Um “surrealismo made in Brazil”, como o descreve o El País.

Tarsila do Amaral

Nascida em 1886 em Capivari/SP, Tarsila é um dos grandes ícones da arte modernista brasileira da primeira metade do século XX. Seu percurso de vida incluiu um primeiro casamento que se diz não ter resultado por conta de o marido ter exigido que Tarsila se limitasse à vida doméstica. Faleceu em 1973.